Em plena crise, o pensamento inquieta-se e interroga-se; ele pesquisa as causas mais profundas do mal que atinge a nossa vida social, politica, económica e moral.
As correntes de ideias, de sentimentos e interesses chocam brutalmente, e deste choque resulta um estado de perturbação, de confusão e de desordem que paralisa toda a iniciativa e se traduz na incapacidade de encontrarmos soluções para os nossos males.
Portugal perdeu a consciência de si mesmo, da sua origem, do seu génio e do seu papel, de herói intrépido, no mundo. Chegou a hora do despertar, do renascimento, de eliminar a triste herança que os povos do velho mundo nos deixaram, as bafientas formas de opressão monárquicas e teocráticas, a centralização burocrática e administrativa latina, com as habilidades, os subterfúgios da sua politica e dos seus vícios, toda esta corrupção que nos tolda a alma e a mente.
Para reencontrar a unidade moral, a nossa própria consciência, o sentido profundo do nosso papel e do nosso destino, isto é, tudo o que torna uma nação forte, bastaria a nós portugueses eliminar as falsas teorias e os sofismas que nos obscurecem o caminho de ascensão à luz, voltando à nossa própria natureza. Às nossas origens étnicas, ao nosso génio primitivo, numa palavra, à rica e ancestral tradição lusitana e/ou celtibera, agora enriquecida pelo trabalho e o progresso dos séculos.
Um país, uma nação, um povo sem conhecimento, saliência do seu passado histórico, origem e cultura, é como uma árvore sem raízes. Estéril e incapaz de dar frutos.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Simbologia Pagã



Nas práticas pagãs existe uma simbologia mágica que permite a sintonia entre o indivíduo e os elementais (seres ligados aos elementos: fogo, terra, ar, água). Desta forma, através do conhecimento milenar, é possível propagar a simbologia que permite alcançar o efeito desejado nas práticas mágicas pessoais.

Alguns destes símbolos são reconhecidos por muitos, mas muitas vezes desconhece-se que esses símbolos são utilizados por várias religiões totalmente diferentes entre si. De seguida colocarei os principais símbolos e os seus respectivos significados:

Pentagrama


Deve ser o símbolo pagão mais conhecido. É um símbolo poderoso e popular entre bruxos e magos. O pentagrama (estrela de cinco pontas circunscrita num círculo) representa os quatro elementos místicos: fogo, terra, ar e água, superados pelo espírito. Na Wicca é representado com a ponta virada para cima, de forma a simbolizar as aspirações espirituais humanas. O Pentagrama virado ao contrário representa o Deus Cornífero.

Triskel


O trisquel é e era um simblo mágico com três braços girando em sentido contrário aos ponteiros dos relógios que simbolizava a continuidade da vida e do crescimento espiritual, o fluir constante do processo natural com um triplo significado místico entre os povos celtas que unia o fisico, o mental e o espiritual, sendo o três um número mágico para eles e origem do que posteriormente o cristianismo adoptaria como "Santíssima Trindade": Um só deus com três formas.

Triquetra


Originário das tradições Celtas, ele representa as três faces da Grande Mãe, a energia criadora do universo, cujas três faces são a Virgem, a Mãe e a Anciã. Também representava as estações do ano, que antigamente era dividido em três fases, primavera, verão e inverno.
A triquetra, em latim triquætra, é similar a um tríscele e pode ser interpretada como uma representação do Infinito nas três dimensões ou a Eternidade.
Era um simbolo muito comum na civilização Celta devido o seu enorme poder de proteção. Encontrado inscrito em pedras, capacetes e armaduras de guerra, era interpretado como a interconexão e interpenetração dos níveis Físico, Mental e Espiritual.
O círculo no meio, assim como no pentagrama, representa a perfeição e a precisão.
No Cristianismo, este símbolo passou a representar a trindade cristã, o Pai, o Filho e o Espírito Santo.


Espiral


As espirais celtas são encontradas em vários artefactos e construções antigas, o seu significado reside na beleza e na simplicidade dos seus traços. Geralmente, representam o equilíbrio do universo dentro de nós, ou seja, o equilíbrio espiritual interior e a consciência exterior.
Elas formam um padrão que começa pelo centro e se deslocam para fora ou para dentro, conforme a sua configuração. Esses movimentos podem ser observados no sentido horário ou anti-horário.
As espirais com movimentos no sentido horário estão associadas ao Sol e a harmonia com a Terra ou movimentos que representam à expansão e à atração, em relação ao centro.
Por outro lado, as espirais com movimentos no sentido anti-horário estão associadas à manipulação dos elementos da natureza e aos encantamentos que visam à interiorização e à transmutação de energias, assim como a protecção.
Cruz Celta


Representa o círculo mágico, onde as duas forças dos arquétipos feminino (horizontal) e masculino (vertical) se encontram em equilíbrio, unidas no centro do círculo pelo elemento espírito, cujas pontas correspondem aos quatro elementos.

Círculo


Muito potente, não possuindo princípio ou fim. É usado como símbolo sagrado da energia mágica, da protecção, do infinito, da perfeição e da renovação constante.

Ouroboros


O ouroboros simboliza a eternidade. O símbolo contém as ideias de movimento, continuidade, auto fecundação e, em consequência, eterno retorno. O ouroboros costuma ser representado pelo círculo. O que parece indicar, além do perpétuo retorno, a espiral da evolução, a dança sagrada de morte e reconstrução. Geralmente, nos livros antigos, o símbolo vem acompanhado da expressão "Hen to pan" (o um, o todo). Remete-se assim, mais uma vez, ao tema da ressurreição, que pode simbolizar o “novo” nascimento do iniciado.

Vénus de Willendorf
Representa a fecundidade e a fertilidade. Baseia-se nas imagens primitivas da Grande Mãe e representa o poder mágico da alma feminina. É senhora da fertilidade da terra e do espírito. Deve ser colocada:

1. perto da cama, para a fertilidade do casal;
2. na mesa do escritório, para a fecundação de novos projectos;
3. na sala, para a fertilidade das relações familiares.

Selo de Salomão


É mais um antigo e poderoso símbolo mágico. Consiste num hexagrama de dois triângulos entrelaçados (um voltado para cima e outro voltado para baixo). Simboliza a alma humana, sendo utilizado para encantamentos, conjuração de espíritos, sabedoria, purificação e reforço de poderes psíquicos.

Ankh


Antigo símbolo egípcio que simboliza a vida, o conhecimento cósmico, o intercurso sexual e o renascimento. Os deuses egípcios eram representados por este símbolo. Também é conhecido como "Cruz Ansata". Actualmente, é utilizado para encantamentos e rituais que envolvam saúde, fertilidade e divinação.

Olho de Horus


Outro símbolo egípcio muito utilizado na feitiçaria moderna. Representa o olho divino do deus Hórus, as energias solar e lunar, e também pode ser usado para simbolizar a protecção espiritual e o poder clarividente do Terceiro Olho - o olho da mente.


Sem comentários:

Enviar um comentário